Wednesday, July 24
Shadow

Crítica: Brilliant Jerks, Southwark Playhouse

Crítica: Brilliant Jerks, Southwark Playhouse

Não, não é sobre Elon Musk (e certamente há muitas perguntas sobre seu suposto brilhantismo). Brilliant Jerks não aborda o gênio fundador solitário, mas, em vez disso, analisa três histórias distintas dentro de um disruptor de tecnologia; o fundador, um programador e um motorista. A empresa não se chama Uber, mas na verdade é Uber… Apesar da premissa, a história não é sobre tecnologia e, embora haja pequenas referências a codificação e APIs que quem conseguir, o assunto é a natureza humana; encontrar um lugar e uma identidade no mundo. Cada um dos personagens é brilhante e cada…

Avaliação

60

Bom

Risos secos e impassíveis, sobrecarregados por um elenco maravilhoso.

Não, não é sobre Elon Musk (e certamente há muitas perguntas sobre dele suposto brilho). Empurrões Brilhantes não aborda o gênio fundador solitário, mas analisa três histórias distintas dentro de um disruptor de tecnologia; o fundador, um programador e um motorista. A empresa não se chama Uber, mas na verdade é Uber…

Apesar da premissa, a história não é sobre tecnologia e, embora haja pequenas referências a codificação e APIs que quem conseguir, o assunto é a natureza humana; encontrar um lugar e uma identidade no mundo. Cada um dos personagens é brilhante e cada um é um idiota, mas na maioria das vezes um idiota que podemos entender e nos relacionar, mesmo que um pouco. O ritmo é rápido e o diretor Katie-Ann McDonough mantém tudo funcionando com a velocidade de uma startup de tecnologia disruptiva.

Mia (Kiran Sônia Sawar) é um motorista pegando passageiros em Glasgow, ouvindo as histórias, a embriaguez tarde da noite e as inevitáveis ​​provocações tristes de uma motorista. Sean (Sean Delaney) é um programador que não se candidatou a um cargo na empresa, mas de alguma forma acabou lá de qualquer maneira. Ele é bom nesse trabalho, mas o mais importante, ele se encaixa na cultura de ‘mano’ laddish e, portanto, quando se trata de promoções e dinheiro, ele supera Amy (também Sawar). Sean admite que Amy é melhor em seu trabalho, mas ele ainda é bom no dele, então merece as vantagens extras – certo? Ele segue para se dar bem, sem saber o quanto se tornou parte do problema. Tyler (Shubham Saraf) é o fundador da empresa, cuja ideia uberesca o atingiu tarde da noite em Paris enquanto tentava chamar um táxi. Lidar com o sucesso, depois com o crescimento e a expansão, o leva a mais desafios.

Todo o elenco assume vários papéis, desempenhando papéis na história de cada personagem, e eles fazem isso com desenvoltura. Trabalho notavelmente forte com sotaques e linguagem corporal de todos os três ao lado de iluminação simpática (Rachel Sampley) permitem que o público acompanhe facilmente cada mudança de personagem, enquanto o som de Annie May Fletcher nos leva do carro para a boate e para o escritório com facilidade. Hazel LowO conjunto de é uma mesa circular simples no formato do logotipo da empresa (tendo mais do que uma familiaridade passageira com o logotipo da Uber). Com três banquetas, funciona como carro, espaço para escritório e para o elenco caminhar e conversar diretamente com o público.

Joseph CharltonO roteiro de ‘s move-se em ritmo e está cheio de frases maravilhosas, mostrando uma verdadeira habilidade para a sátira e a comédia. A entrega de todos os três do elenco é forte, mas o impassível de Saraf é excelente, com um destaque particular quando Tyler sente que precisa nomear o rio em que Paris foi construída. Tem muita comédia do começo ao fim, com várias risadas que vão crescendo como falas, afundando na plateia, e o elenco é excelente em julgar uma pausa extra para permitir que essas ondas de risadas terminem.

A comédia ofusca um pouco, deixando a sensação de que talvez já tenhamos visto essa história antes e que talvez Empurrões Brilhantes não tem muito de novo a dizer. No entanto, traz muitas risadas e contribui para uma noite extremamente divertida em Londres, com o metrô, trens principais e todos os ônibus que você poderia desejar – não há necessidade de sacar o telefone e pedir um táxi para chegar em casa.

Escrito por Joseph Charlton
Dirigido por Katie-Ann McDonough
Cenografia e figurino por Hazel Low
Design de som por Annie May Fletcher
Design de iluminação por Rachel Sampley

Empurrões Brilhantes toca no Southwark Playhouse até 25 de março. Mais informações e ingressos podem ser encontrados aqui.

The post Crítica: Brilliant Jerks, Southwark Playhouse appeared first on DIAL NEWS.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Generated by Feedzy