Monday, June 17
Shadow

Crítica: Calígula e o Mar, VAULT Festival

Crítica: Calígula e o Mar, VAULT Festival

Entre as muitas coisas que o imperador romano Calígula teria ordenado estava fazer de seu cavalo um cônsul e ser referido como um deus. Portanto, não parece muito difícil para ele declarar guerra ao mar. Mas muito antes de tudo isso, Calígula (Noah Silverstone) foi exilado em Capri ao lado de seu guarda, amigo e confidente Cassius (Felix Ryder). Aqui, além de os dois se tornarem mais que amigos, Calígula conhece Netuno (Riko Nakazono), deus do mar, onde faz um acordo pelo poder absoluto. Calígula E o Mar está, sob…

Avaliação

40

OK

Uma estética visual incrível, mas que precisa de um olhar crítico.

Entre as muitas coisas que o imperador romano Calígula teria ordenado estava fazer de seu cavalo um cônsul e ser referido como um deus. Portanto, não parece muito difícil para ele declarar guerra ao mar. Mas muito antes de tudo isso, Calígula (Noah Silverstone) foi exilado em Capri ao lado de seu guarda, amigo e confidente Cássio (Félix Ryder). Aqui, além de os dois se tornarem mais que amigos, Calígula conhece Netuno (Riko Nakazono), Deus do mar, onde faz um pacto pelo poder absoluto.

Calígula e o mar é, sob a direção de Yuxuan Liu, extremamente impressionante em termos técnicos e de encenação. O uso de tecido para trazer o mar é excelente, enquanto Fiona McKeonO design do cenário e a estética visual permitem visuais impressionantes, de uma forte tempestade a uma maré vazante. E mesmo nessa apresentação descontraída, Aaron J Dootsoniluminação e Cinta HannahO som de continua impressionante. Também é notável o uso de marionetes, desenhadas por Silverstone, usadas para representar Netuno em suas várias formas, do pássaro à enguia.

Mas o curto tempo de execução tenta abarrotar uma história épica, começando com o exílio de Calígula, sua ascensão ao poder e até seu eventual assassinato. O problema é que não deixa espaço suficiente para respirar. A coisa toda parece um pouco apressada. A sutileza inicial e as nuances do roteiro que exploram os primeiros dias de seu relacionamento com Cassius e Netuno logo são deixadas de lado. Em seguida, recebemos um comentário quase ao estilo de Trump sobre uma corrida de carruagens de Calígula e, ainda mais bizarramente, uma cena ambientada em Gloria Gaynor que é chocante e serve apenas para puxar o público para fora da Roma antiga e de volta ao auditório VAULT.

Um pouco de contenção pode ajudar bastante a reduzir o enorme contraste entre a qualidade dos visuais e da encenação e alguns dos momentos exagerados do roteiro. Do jeito que está, tanto o roteiro quanto a entrega parecem muito encenados e artificiais, tornando difícil ver os personagens e não apenas os atores. São raros os momentos em que os personagens se destacam, principalmente na relação entre Calígula e Cássio.

Calígula e o Mar é idealizado pela empresa, o que pode ser o caso de muitos cozinheiros. Os aspectos individuais costumam ser excelentes, mas o resto clama por um olhar mais crítico durante seu desenvolvimento, alguém que simplesmente diga ‘não’ de vez em quando. Eu queria tanto amar esse show que parecia um destaque do programa da semana no VAULT Festival. Mas, embora o design, a tecnologia e os visuais sejam mais do que suficientes, o restante precisa de uma revisão completa. Há claramente um grande talento envolvido, então você esperaria que não fosse necessário um acordo com a Neptune para transformar isso em algo muito melhor.

Direção e Produção: Yuxuan Liu
Dramaturgia por: Jacey Casel
Cenário e figurino por: Fiona McKeon
Design de Marionetes por: Noah Silverstone
Som projetado e composto por: Hannah Bracegirdle
Design de iluminação por: Aaron J Dootson
Direção de movimento por: Sean Croft

Calígula e o Mar tocou como parte do VAULT Festival 2023 e concluiu sua temporada atual.

The post Crítica: Calígula e o Mar, VAULT Festival appeared first on DIAL NEWS.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Generated by Feedzy