Friday, April 12
Shadow

Resenha: The Journey To Venice, Teatro Finborough

Resenha: The Journey To Venice, Teatro Finborough

Um teatro é um lugar maravilhoso para se estar. À medida que as luzes se apagam, você é transportado, levado para a vida e a história de outra pessoa para gastar tempo para ouvir e ver sua história. Às vezes, pode levá-lo ainda mais longe; você pode se sentar em um adorável estúdio de teatro em Londres, mas momentos depois se encontra no topo de uma montanha ou sentado em um restaurante em Veneza. Publicada pela primeira vez em 1991, a peça de Bjørg Vik ganhou o Prêmio Norueguês Ibsen, e agora está fazendo sua estreia no Reino Unido com uma tradução de Janet Garton. The Journey To Venice nos leva para o…

Avaliação

80

Excelente

Cheia de emoção, calor e amor, esta bela peça transporta facilmente o público para Veneza.

Um teatro é um lugar maravilhoso para se estar. À medida que as luzes se apagam, você é transportado, levado para a vida e a história de outra pessoa para gastar tempo para ouvir e ver sua história. Às vezes, pode levá-lo ainda mais longe; você pode se sentar em um adorável estúdio de teatro em Londres, mas momentos depois se encontra no topo de uma montanha ou sentado em um restaurante em Veneza.

Publicado pela primeira vez em 1991, Bjørg Vikjogo de ganhou o Norwegian Ibsen Prize, a amd agora está fazendo sua estreia no Reino Unido com uma tradução de Janete Garton. A Jornada Para Veneza nos leva para a casa de Edith (Annabel Leventon) e Oscar (Tim Hardy) Tellman. Eles estão casados ​​há décadas e agora na casa dos 80 anos, relembram suas viagens e aventuras de quando eram jovens. Eles recriam essas viagens dentro de seu apartamento; escalar montanhas, longas viagens de trem, visitar Veneza – viajar sem se mexer. Com a ajuda de suas antigas filmagens de viagem, equipamento de caminhada e sanduíches, eles retornam aos lugares e às memórias que guardam. Sob a direção hábil de Wiebke Green, isso é maravilhosamente apresentado, proporcionando momentos de pura beleza. O amor que os dois têm um pelo outro nunca é mais claro do que quando Oscar faz eco aos gritos de Edith nas montanhas, maravilhosamente discretos e comoventes. Não precisamos fechar os olhos para ver montanhas quando podemos ver o amor entre elas tão claramente quanto qualquer montanha.

É um contraste impressionante e eficaz com suas vidas agora. Juntos em suas memórias, é escalar e caminhar, mas aqui e agora, em seus 80 anos e em seu pequeno apartamento, está cheio de problemas que vêm com a idade; dores e necessidade de ajuda para calçar os sapatos. Edith carrega um fardo extra ao lidar com a perda de memória e cognitiva de Oscar, levando a carga sobre seus ombros e mantendo-a longe dele, distraindo-o quando ele começa a perceber. A sensação de que ela também está enfrentando a própria velhice aponta para o isolamento que isso pode trazer, deixando uma impressão de solidão, ansiedade e até desespero.

Sua rotina de viagem é interrompida primeiro pelo encanador, Christopher (Nathan galês) e depois a empregada doméstica, Vivian (Charlotte Beaumont). Lentamente, o casal traz os dois intrusos com eles em suas viagens, compartilhando comida e vinho e os pontos turísticos de Veneza. Os quatro se tornam um grupo, um grupo de amigos, em uma incrível aventura juntos, o fato de serem estranhos há pouco tempo logo esquecido.

Há um trabalho forte e sutil dentro Kit Hinchcliffeestá definido. As paredes nuas e as prateleiras desorganizadas significam como Edith foi forçada a vender bens preciosos para pagar as contas. O apartamento pode estar quente e cheio de amor, mas também mostra seu próprio desgaste, assim como o casal. Resta-nos imaginar os seus muitos gatos, com nomes de compositores famosos, que fazem companhia ao casal, mas Julian StarrO design de som do mantém-nos por perto e sob os pés.

A Jornada Para Veneza é charmoso e cheio de ternura, com um elenco que faz tudo parecer certo, apesar dos muitos obstáculos que Oscar e Edith enfrentam. Ele nos mostra o melhor da humanidade com coração, humor e charme, comovendo o público enquanto nos leva às montanhas e Veneza, e às lágrimas. Mais uma vez o Teatro Finborough mostrou seu notável olho para trazer joias absolutas para o Reino Unido.

Escrito por Bjørg Vik
Traduzido por Janet Garton
Dirigido porWiebke Green
Design de som por Julian Starr
Cenário e figurino por Kit Hinchcliffe

A Jornada Para Veneza peças no Finborough Theatre até 25 de março de 2023. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.

The post Resenha: The Journey To Venice, Teatro Finborough appeared first on DIAL NEWS.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Generated by Feedzy