Wednesday, July 24
Shadow

Crítica: Spur, VAULT Festival – Everything Theatre

Revisão: Spur, VAULT Festival

A tarde de domingo é o momento perfeito para um faroeste. Você sabe, não um com um nível de estrela de John Wayne ou Gary Cooper, mas talvez com alguns belos sem-nomes em uma aventura no Velho Oeste. Em algum lugar do Texas, Sadie (Maddy Strauss), filha de um fazendeiro, se une ao caçador de recompensas John (George Fletcher) e ao rancheiro Isaac (Benjamin Victor) para rastrear um assassino e recuperar as esporas roubadas de seu pai. Claro, isso pode soar como um faroeste genérico, mas Spur tem a intenção de algo totalmente diferente. O escritor Matt Neubauer e o diretor James Nash usam este genérico…

Avaliação

80

Excelente

Histórias ambiciosas e oníricas de perda e saudade, maravilhosamente apresentadas.

A tarde de domingo é o momento perfeito para um faroeste. Você sabe, não um com um nível de estrela de John Wayne ou Gary Cooper, mas talvez com alguns belos sem-nomes em uma aventura no Velho Oeste.

Em algum lugar do Texas, Sadie (Maddy Strauss) a filha de um fazendeiro se une ao caçador de recompensas John (George Fletcher) e o ajudante de rancho Isaac (Benjamim Victor) para rastrear um assassino e recuperar as esporas roubadas de seu pai. Claro, isso pode soar como um faroeste genérico, mas espora tem a intenção de algo totalmente diferente. Escritor Matt Neubauer e diretor James Nash use esse conceito genérico para uma viagem ambiciosa e etérea através de histórias díspares de luto, amor e saudade.

Strauss troca o convincente sotaque texano por seu próprio sotaque inglês quando descobrimos que o faroeste é apenas um pano de fundo. Assistir a esses filmes era um ritual para seu pai e basta dizer que ele não fazia jus ao exemplo dado pelos heróis do Velho Oeste. Sadie herdou uma caixa com suas fitas e DVDs e liga o projetor de vez em quando para revisitar o oeste e as memórias de seu pai. São esses filmes que vemos projetados nas paredes. O uso de iluminação projetada por Ben Kulvichit e vídeo de Alberto Lais é espetacular. O vídeo se torna parte da história, um grande projetor brilhando nas paredes do espaço Cavern, e o elenco bloqueando ou movendo-se sob esta luz. A silhueta com chapéu de cowboy supera o clichê e fica fantástica. Até mesmo os raios de luz do projetor desempenham um papel, brilhando sobre e ao redor dos personagens.

Fora do faroeste, os personagens nunca interagem; suas histórias estão em tempos e lugares separados que nunca se fundem. Sadie avalia seu relacionamento com o pai. John fala de saudade, um romance perdido desenvolvido durante um assalto cibernético a um jogo online. Tornando-se vivo e mudando totalmente do pistoleiro taciturno, Fletcher explode em torno da Caverna, falando intensamente com o público, contando sobre seu amor e sua perda e tornando fácil para nós vermos sua paixão não correspondida. Victor conta uma comovente e cômica história de amor, de finalmente perceber que já esteve apaixonado, confessando que este é um deserto que tomou conta de Swindon no futuro. Cada um do elenco move-se habilmente de tiroteios de faroeste para monólogos sobre os anseios de seus personagens individuais. Cada um traz o público consigo em sua própria jornada, profundamente em suas próprias dores e perdas.

O único elo em cada história é a palavra espora: as esporas de um cowboy, o nome do jogo é ‘Spur’, e é a espora de uma rocha nas cenas finais no deserto. São os temas de amor, saudade e tristeza que unem as três histórias, assim como une os heróis no faroeste.

espora é desafiador e precisa que seu público se incline um pouco e acompanhe suas reviravoltas. Embora ambicioso, também serpenteia e corre. As transições precisam de um momento para respirar, um momento para uma batida para pousar. Mesmo nesse curto tempo de execução, alguns dos meandros das histórias poderiam ser melhor aproveitados, moderadamente cortados e o tempo usado para pausas ocasionais. A Caverna, bem descrita em seu nome, funciona contra espora um pouco. Descobri que precisava verificar o diálogo por meio das legendas (disponíveis em todos os shows), pois as palavras às vezes eram perdidas ou abafadas no grande espaço. Alguns pequenos ajustes verão espora cavalgando para o pôr do sol com ainda mais estilo, bandidos despachados, recompensas coletadas e um trabalho bem feito.

Escrito por: Matt Neibauer
Direção: James Nash
Design de som e composição por: Nat Norland
Design de iluminação por: Ben Kulchit
Vídeo por: Alberto Lais
Dramaturgia por: Hazel Low

espora toca no VAULT Festival até 9 de março. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.

The post Crítica: Spur, VAULT Festival – Everything Theatre appeared first on DIAL NEWS.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Generated by Feedzy